Select Page

Sintomas: “caspa” na base das pestanas, olho vermelho, ardor e comichão, lacrimejo, pálpebras inchadas e avermelhadas, crostas no bordo das pálpebras, sensação de areia nos olhos, hipersensibilidade ao fumo, ao vento, a cloro das piscinas, às lentes de contacto e aos conservantes das gotas oculares.

Causas: A inflamação das pálpebras tem origem no mau funcionamento de pequenas glândulas existentes na margem das pálpebras. Em condições normais estas glândulas produzem uma secreção gordurosa, que ajuda a lubrificar a superfície ocular e que evita a evaporação das lágrimas.

Nos casos de blefarite as glândulas ficam obstruídas, havendo acumulação das secreções no seu interior e nos bordos palpebrais. Estas secreções, difíceis de remover com a lavagem normal dos olhos, servem de alimento às bactérias que vivem na pele das pálpebras. Os bordos palpebrais ficam vermelhos e inflama-dos, e formam-se pequenas crostas. Há descamação da pele junto às pestanas – caspa das pestanas.

Neste quadro, a infeção bacteriana é quase inevitável, dado que a acumulação de detritos favorece o crescimento das bactérias que normalmente existem no local. A gravidade da blefarite varia muito de doente para doente, desde uma leve irritação, que aparece e desaparece ciclicamente, até uma situação grave que pode afetar a visão do doente.

Tratamento: A blefarite é uma doença crónica e cíclica, que exige do doente alguma disciplina para que o tratamento seja bem sucedido. Dependendo da gravidade da blefarite, e da resposta do doente, é necessário complementar a higiene local com medicação.

Manter uma higiene adequada das pálpebras, bordo das pálpebras e pestanas, podem contribuir de forma importante para a melhoria dos sintomas, reduzindo os sinais de inflamação.

Como aliviar os sintomas?

Aplicar calor: Aquecer duas compressas normais e aplicar durante 10 minutos sobre as pálpebras fechadas. Isso ajudará a fluidificar as secreções oleosas contidas nas glândulas. MASSAJAR AS PÁLPEBRAS: Lavar bem as mãos. Massajar a pálpebra inferior com movimentos de dentro para fora. Exercer uma ligeira pressão com os dedos de forma a expulsar as secreções.

Tratamento das pálpebras: Com o olho fechado, aplicar delicadamente uma compressa sobre as pálpebras e na base das pestanas. Massajar delicadamente as pálpebras em pequenos movimentos circulares. Repetir a operação para o outro olho, utilizando uma nova compressa. Proceder assim, em média, duas vezes por dia, de manhã e à noite.

Medicação: Lágrimas artificiais são usadas para o tratamento de desconforto e da irritação ocular. Em determinadas situações, o oſtalmologista pode optar pela utilização de lágrimas artificiais em unidoses, mais bem toleradas. É importante frisar que as unidoses devem ser usadas imediatamente após a sua abertura, não se devendo guardar os conteúdos eventualmente não utilizados. Antibióticos são usados em gotas oculares ou pomada, para tratamento local da infeção palpebral. Em situações mais graves pode ser necessário recorrer a antibióticos sistémicos.

Corticóides são utilizados para o tratamento de inflamação grave. Uma vez que os corticóides oculares podem provocar efeitos secundários (catarata, glaucoma, etc.) quando usados durante períodos de tempo alargados, a sua utilização deve ser limitada.